webmail
painel
 
Pesquisadores dizem que as moscas da fruta escolhem alimentos com base no sabor
12/08/2021 às 11:20:45

Os receptores de sabor expressos nessas células podem detectar diferentes produtos químicos

A mosca da fruta é um inseto que possui vários órgãos gustativos em todo o corpo para detectar substâncias químicas, chamadas de aromas, que indicam se um alimento é saboroso ou prejudicial.

No entanto, ainda não está claro como os neurônios individuais em cada órgão gustativo agem para controlar a alimentação.

Nesse contexto, uma equipe de pesquisadores usou a faringe da mosca como modelo para estudar se a informação do sabor regula o consumo de açúcar e aminoácidos em nível celular. "O comportamento de alimentação de insetos afeta diretamente os humanos de várias maneiras, desde mosquitos transmissores de doenças que buscam sangue humano a pragas cujo apetite pode causar estragos no setor agrícola", explicou Anupama Dahanukar, professor associado de biologia celular e molecular.

"A forma como os neurônios gustativos dos insetos são organizados e como funcionam é fundamental para uma compreensão mais profunda de seu comportamento alimentar."

Dahanukar explicou que os animais dependem muito do paladar para tomar decisões sobre alimentação, como consumir alimentos nutritivos e evitar toxinas.

"Nos mamíferos, a informação do paladar é codificada por células especializadas presentes nas papilas gustativas da língua", disse ele.

"Os receptores de sabor expressos nessas células podem detectar diferentes produtos químicos. Diferenças moleculares e funcionais nos receptores expressos em diferentes células permitem o reconhecimento de diferentes sabores, como salgado, azedo, doce, amargo ou umami."

Vários novos estudos em moscas indicam que os neurônios gustativos individuais podem detectar compostos que pertencem a mais de uma categoria gustativa, levantando algumas questões sobre os diferentes papéis comportamentais dos neurônios gustativos individuais.

Se muitas classes de neurônios gustativos são ativadas pelo açúcar, por exemplo, como a ativação de uma única classe de neurônios gustativos afeta o comportamento?

A equipe de Dahanukar respondeu a essa pergunta por meio da engenharia genética de uma mosca na qual apenas uma classe definida de neurônios da faringe está ativa. A equipe então testou esta mosca em diferentes experimentos de alimentação para entender o que a mosca pode ou não fazer em comparação com animais que têm todos os seus neurônios gustativos intactos.

"Descobrimos que os neurônios gustativos únicos são capazes de responder e ativar respostas comportamentais a mais de uma categoria de sabor: doce e aminoácidos em nosso estudo", disse Yu-Chieh David Chen, primeiro autor do artigo de pesquisa.

"Também descobrimos que uma única categoria de aromatizantes, os aminoácidos em nosso estudo, podem ativar várias classes de neurônios gustativos."

A equipe também testou moscas que não tinham neurônios gustativos funcionais. Essas moscas foram incapazes de tomar decisões alimentares adequadas, independentemente das escolhas alimentares, se eram dois estímulos atrativos, um atrativo e um aversivo, ou um nutritivo e outro não nutritivo.

Os pesquisadores descobriram que as decisões sobre a escolha dos alimentos não podem ser feitas na ausência de informações sobre o sabor; este último é essencial para garantir escolhas alimentares e comportamentos alimentares adequados.

Além disso, as moscas que tinham neurônios da faringe de sabor adocicado como a única fonte de entrada de sabor foram consistentemente capazes de selecionar alimentos mais palatáveis. "Coletivamente, nossos resultados defendem a existência de um sistema de codificação combinatória, no qual vários neurônios coordenam a resposta a qualquer sabor", disse Dahanukar. *PortalFruticola.com

 
autor:
Léia
 
Seja o primeiro a
comentar essa notícia!
 
 • Veja Também: